Quintinha, Julião

From Wikipédia de Autores Algarvios
Jump to: navigation, search

Julião-quintinha.jpg Julião velho.jpg Juliao-quintinha-desenho.jpg

Julião Quintinha
Silves, 19/12/1885 - Lisboa, 23/07/1968.

Escritor. Jornalista. Alfaiate. Maçon.


  • Notas Biográficas

Julião Quintinha começou a trabalhar jovem, em Silves, na sua terra natal, como operário, e mais tarde como alfaiate, com estabelecimento aberto até à implantação da República. Paralelamente, ainda jovem, iniciou as suas atividades jornalísticas a dirigir o jornal Alma Algarvia, conjuntamente com Henrique Martins, seu conterrâneo e, como correspondente de órgãos republicanos de Lisboa. Entre 1912 e 1914 foi administrador dos concelhos de Portimão e Silves e a partir dessa data até 1920, chefe de secretaria da Câmara Municipal de Silves, altura em que veio para Lisboa para se dedicar totalmente ao jornalismo. Nesta área foi editor da revista Seara Nova, subchefe de redação do jornal República, chefe de redação do Diário da Tarde, Diário da Noite, Jornal da Europa e ainda colaborou com as publicações Alma Nova, A Batalha, Contemporânea, O Diabo, Diário do Alentejo, Diário Liberal, Diário de Lisboa, Diário Popular, Mala da Europa, O Século e Voz do Sul, nomeadamente, com reportagens sobre África que foram muito aplaudidas. Simultaneamente foi também por várias vezes dirigente de associações de jornalistas. Como escritor escreveu contos, novelas, peças de teatro, estudos literários e ensaios, de que salientamos A Solução Monárquica do Sr. Alfredo Pimenta (1916), No Fim da Guerra. Comentário político (1917), o seu primeiro livro de ficção Vizinhos do Mar (1921), Terras de Fogo (1923) África Misteriosa – Crónicas de Viagem (1928), Ouro Africano – Crónicas de Viagem (1929), o esboço histórico A Derrocada do Império Vátua e Mouzinho de Albuquerque (1930), Terras do Sol e da Febre – Reportagem em Colónias Estrangeiras (1932), Novela Africana (1933) e os estudos literários Imagens de Actualidade (1933). A Agência Geral das Colónias atribuiu-lhe em 1928 o terceiro lugar à sua obra África misteriosa; o segundo lugar, em 1929, ex-equeo com Augusto Casimiro; e a primeira categoria, em 1930, com A Derrocada do Império Vátua, em co-autoria com Francisco Toscano, sendo um dos autores mais agraciados nos concursos literários.
Em Portimão foi iniciado na Maçonaria onde escolheu o nome simbólico de Danton. Durante o Estado Novo teve alguns problemas com a PIDE e apoiou as candidaturas goradas de Cunha Leal e de Ferreira de Castro, em 1958, antes de se confirmar a candidatura de Humberto Delgado. E na década de cinquenta do séc. XX era frequentador habitual da tertúlia da Pastelaria Veneza, em Lisboa, com Ferreira de Castro, Luís da Câmara Reis, Roberto Nobre e Augusto Casimiro. Integra a toponímia de Lisboa. in:https://toponimialisboa.wordpress.com e https://pt.wikipedia.org/wiki/Juli%C3%A3o_Quintinha



Juliao africa.jpg Juliao derrocada1.jpg Juliao novela1.jpg Juliao ouro.jpg

  • Bibliografia:

- Terras do Sol e da febre : impressões do Congo Belga, África Equatorial Francesa, Transvaal, Nyasaland, Tanganyka, Zanzibar, Mombaça, Adem e Egipto (1900)
- Assistência à mendicidade (apreendido pela Censura) (1915)
- "A solução monárquica" do senhor Alfredo Pimenta (1916)
- No fim da guerra: um sonho (publicada postumamente) (1917)
- Visinhos do mar (publicada postumamente) (1921)
- África misteriosa: crónicas e impressões duma viagem jornalística nas colónias da África Portuguesa ((1928)
- Oiro africano: crónicas e impressões duma viagem jornalística na áfrica Oriental portuguesa (1929)
- A derrocada do império Vátua e Mousinho d' Albuquerque co-autoria com Francisco Toscano(1930)
- Imagens de actualidade (1933)
- Novela africana (1933)
- Figuras das guerras de África (1936)
- Rescaldo da guerra: através do "Livro Branco" co-autoria com Manuel de Brito Camacho 1936)
- Oiro do Rand (1936)
- Reis negros (1938)
- Manica e Sofala (1938)
- Terras de fôgo: novelas
- Cavalgada do sonho : novelas