Lyster Franco, Carlos

From Wikipédia de Autores Algarvios
Jump to: navigation, search

Carloslysterfranco2.jpg Carloslysterfranco.png

  • Carlos Augusto Lyster Franco

Como pintor chegou a assinar Kernok.
Lisboa, 5/10/1880 - 26/3/1959.
Pintor, professor, escritor, político. Ilustre figura da cultura algarvia com reconhecimento a nível nacional.
Foi professor e diretor nas escolas de Desenho Técnico de Pedro Nunes e Industrial e Comercial de Faro / Escola Secundária de Tomás Cabreira nas primeiras 4 décadas do século XX. Foi também professor no Liceu de Faro / Escola Secundária João de Deus.


  • Excerto do conto Lyrios brancos, in Illuminuras:

"No luminoso País da Ventura, longe, muito longe da perversidade dos homens, num rincão, onde as flores têm a macieza dos arminhos e as brisas são impregnadas dos mais suaves perfumes, existe um grande lago, cujo perímetro é debruado pelo verde musgo e em cujas cristalinas águas, onde pululam peixes cor de oiro, se espelham os mais formosos lírios brancos.
Tão lindos como efémeros, duram um só dia, um instante quase...
Começam sorrindo às alvoradas e morrem ao declinar do sol!
De manhã, na limpidez do ar, os seus graciosos hastis animados pelo calor vivificante do sol, erguem-se majestosos, parecendo sustentar flores ideais feitas de prata e de cujas pétalas de brancura deslumbrante, irradiam reflexos de cetim.
Que lindos são os lírios brancos!"


  • Biografia Breve:
Pintor, escritor, jornalista, professor e diretor em várias escolas. Comissário distrital de Polícia. Diretor do Posto Meteorológico D. Francisco Gomes. Presidente e Vereador da Câmara Municipal de Faro. Enfim, Carlos Augusto Lyster Franco uma personalidade multifacetada de que Faro muito se orgulha.
O apelido Lyster Franco é ainda hoje bem conhecido em Faro, inclusivamente na toponímia da cidade.
Carlos Augusto Lyster Franco foi um dos primeiros apoiantes do Modernismo e do Futurismo no tempo em que esse movimento dominou a cultura portuguesa e, na sua prosa literária, escrita e publicada em 1905 e 1908, cerca de 10 anos antes do Orfeu, conseguimos descobrir diversas características desse movimento, que só posteriormente foram sistematizadas por Fernando Pessoa.
Mas Carlos Augusto Lyster Franco não se limitou a sentir e a escrever como um modernista de personalidade própria. Como homem culto e interveniente disponibilizou o seu jornal o “Heraldo” para apoiar esse movimento embrionário.
Os textos aí publicados mostram como Carlos Augusto Lyster Franco foi um dos primeiros a antever a mudança cultural que estava a acontecer e, apesar de estar longe da capital, de viver num país alheado da guerra que se passava na Europa, foi um dos primeiros a apoiar o Modernismo, ainda ele não estava definido, enquanto movimento pelos nossos artistas e poetas mais influentes, como Pessoa ou Almada.
Como curiosidade, e segundo um artigo publicado por Teodomiro Cabrita Neto no jornal “Folha de Domingo” (clique aqui), quando o filho de Carlos Augusto Lyster Franco , Mário Lyster Franco, foi presidente da Câmara de Faro em 1932, ao decidir empedrar o atual Jardim Manuel Bivar, convidou o seu pai para fazer a decoração da calçada. A nau em basalto negro, com 10X10 metros, que se encontra no centro do jardim foi desenhada por Carlos Augusto Lyster Franco com inspiração no poema de Fernando Pessoa, publicado no Heraldo “Casa Branca Nau Preta” . Foi o próprio CALF, que numa das visitas de Pessoa a Faro, lhe pediu autorização para utilizar o poema.
Os parágrafos acima são da publicação de Maria B. e H.V. da equipa das Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escola Tomás Cabreira, em Faro e de alunos de Artes Visuais de 2018/2019: Carlos Lyster Franco nas primeiras décadas dos Séculos XX e XXI, Faro, 2019.

Faro - Praceta CALF em 2019 Calcada Nau Preta no Jardim Manuel Bivar em 2020 Ilustração de Bernardo Reis, alunos do 12.º ano de Artes Visuais, em 2019, inspirado pelo conto de 1908, A Sybila de CALF A Casa Branca Nau Preta (em imagem legível) A Casa Branca Nau Preta na página 2 d'O Heraldo de 1/6/1917 O Heraldo de 1/6/1917 - Página 2.
Clique numa imagem para ver maior.
Clique aqui para ler A Casa Branca Nau Preta.


  • Bibliografia (a completar):

- Contos fúnebres, 1905.
- Illuminuras: contos e novellas, 1908.
- O pintor Joaquim Porfírio: grande propagandista de Allongé, 1949.
- O pintor Constantino Fernandes, 1950.


  • Pinturas (apenas alguns exemplos):

Amendoeiras
Clique na imagem para ver maior.


  • Veja mais sobre Carlos Augusto Lyster Franco nos seguintes links:

- 2019/2020 -No blogue Cont'Arte

- - A Obra Gráfica de Carlos Augusto Lyster Franco - Dissertação de Mestrado de Ana Rita Carvalho Afonso

  • in https://arquivo.pt:

- 2003 -Lista de imprensa - O Heraldo - Bi-semanário Republicano Democrático. 1912 - 1917 com direção deCarlos Augusto Lyster Franco e ….

- 2004 -Texto de António Valdemar sobre Roberto Nobre com referência a Carlos Augusto Lyster Franco.

- 2007 -Texto sobre Carlos Augusto Lyster Franco .

- 2010 -Texto de Carlos Augusto Lyster Franco "Nuvem Vermelha".

- 2010 -Pdf do Museu de Faro com a reprodução de um quadro pintado por Carlos Augusto Lyster Franco

- 2012 -Texto sobre a obra literária de Carlos Augusto Lyster Franco.

- 2012 -Texto de João Leal com referência às pinturas de Carlos Augusto Lyster Franco guardadas no antigo Registo Civil

- 2014 -Texto de Vilhena Mesquita sobre o Orfeu.

- 2015 -Texto sobre o Congresso do Algarve.

- 2015 -Texto de Patrícia de Jesus Palma sobre futurismo.

- 2015 -Texto sobre o Café Aliança

- 2018 -Texto sobre Carlos Augusto Lyster Franco e outra individualidades algarvias.

- 2018 -- 2018 - Homepage do AGRTC com referências a atividades culturais sobre Carlos Augusto Lyster Franco e outros autores algarvios.

- 2018 -Texto de João Leal sobre o Museu Marítimo.

- 2018 -Texto de Vilhena Mesquita sobre desporto e com referência a Carlos Augusto Lyster Franco .

Em tempos de pandemia e de máscaras obrigatórias pelos piores motivos, recordamos hoje, dia de Carnaval, dia de folia e de bailes de máscaras, um interessante texto do antigo professor e diretor da nossa escola, Carlos Augusto Lyster Franco " A Última Máscara", retirado do seu livro de contos "Illuminuras". Este conto publicado em 1908, foi reeditado digitalmente e publicado na Biblioteca Digital do Agrupamento onde pode ser lido na íntegra no seguinte link :[1]. Salientamos que a ilustração do conto foi feita pela aluna Sandra Guerreiro.


Assislyster.jpg
- 2015 - Livro de Assis Esperança "Viver" com capa desenhada por Lyster Franco