Cercas, José

From Wikipédia de Autores Algarvios
Jump to: navigation, search

Josecercas pintor-alcoutim-1914-1992.png

  • José Rodrigues Cercas

Aljezur, 01/04/1914 - Lisboa 05/12/1992

  • Destaque Biográfico
Pintor e poeta. Estudou no Seminário de Faro, mas não chegou a ser ordenado padre. Frequentou a Escola de Belas Artes, em Lisboa e foi funcionário da Direcção Geral da Aeronáutica Civil.
Como pintor usava o pseudónimo Manuel Fontana ou siglas diversas ou nem sequer assinava o que dificulta a identificação das suas obras. Na arte da poesia publicou em 1936 um livro com o título Sonetos.
  • Os Meus Sonetos

Os meus sonetos foram meditados,
Na catedral da minha fantasia.
São rubros prantos do morrer do dia,
São lágrimas de poentes torturados.

Neles pus a minha alma e os meus cuidados
E as ambições e mágoas que sentia;
Quis que tivessem garras e magia,
Que fosse versos-lobos esfaimados.

Não consegui o meu dourado fito,
Lutei num sonho sem saber vencer,
Não pude traduzir o infinito.

Silêncio e pó e cinza no meu ser:
Ante meus olhos, o que vejo escrito
É só a sombra do que eu quis dizer.


  • Regresso

Minha querida terra, que saudade!
Maior ainda não senti talvez.
No dia em que parti para a cidade,
Um longo adeus o meu olhar te fez.

E tu parecias triste, na ansiedade
De quem ia ficar na viuvez;
Toldou-se no teu céu a claridade
E em mim toda a alegria se desfez.

Um dia hei-de voltar ao teu abrigo
E até essas velhinhas mais curvadas
Hão-de cantar e hão-de bailar comigo.

Reviverei as cenas já passadas:
O riso irónico dum aldeão amigo,
Um conto… e uma fogueira às gargalhadas.


  • Esperança

Não sei por que má sorte amanheci,
Neste soturno anoitecer da vida.
Não sei que mão fatal me trouxe aqui,
A este imundo beco sem saída.

Não sei se estou na morte ou se nasci,
Se, além da dor, existe outra guarida.
A morte já a vi, já a senti
E a vida nunca foi por mim sentida.

Vale de lágrimas; nuvens desgrenhadas;
Céu sem luar; estrelas apagadas;
Fantásticas visões em torvelinho!

Incerto aguardo as horas misteriosas,
Sempre à espera que floresça em rosas
O grão que todos pisam no caminho…

  • Bibliografia:

-Sonetos

Poemas Ineditos de Jose Cercascapa.jpg


  • Exposições:

-XII Exposição de Arte Moderna, (1948).
-Salão Silva Porto (Porto 1952).
-Casino Estoril (1954).
-Galeria Arte Capitel (Leiria 1977).


  • Veja mais sobre José Cercas nos seguintes links:

-2014- Exposição Comemorativa dos 100 anos do Nascimento do Pintor José Cercas

-2014- Poemas Inéditos de José Cercas

-2014- Capa do livro

-2020- Página do Facebook "Confraria dos Poetas Algarvios" com biografia e poemas do autor

-2013- Página sobre a "Casa Museu Pintor José Cercas".

- Página da Wikipédia sobre José Cercas.

-2014- Aljezur: Notícia sobre as comemorações do centenário do nascimento do pintor José Cercas

- Casa-Museu Pintor José Cercas

- Página da Wikipédia sobre a Casa Museu pintor José Cercas