Caires, Lutegarda

From Wikipédia de Autores Algarvios
Jump to: navigation, search

Lutegardafoto.jpg
Lutegarda Guimarães de Caires

Vila Real de Santo António, 15/11/1879 - Lisboa, 30/03/1935 em Lisboa.

  • Destaque Biográfico
Poetisa. Defensora ativa dos direitos humanos, onde se destaca o seu contributo para a abolição da "Máscara", castigo imposto para as penas mais graves. Foi a "fundadora" do Natal dos Hospitais. Após a implantação da República é convidada pelo ministro da Justiça, a propor melhorias de carácter social e sobre a situação jurídica da mulher. No campo poético, obtém em 1913 o 1º Prémio de Poesia nos jogos florais hispano-portugueses de Ceuta, com o soneto Florinha das ruas. Em Fevereiro de 2008 é aberto na sua terra natal o 1º Concurso Literário, Lutegarda de Guimarães Caíres (prosa e verso) destinado a todos os alunos do ensino básico e secundário.

Lutegarda Guimarães de Caires, nasceu em Vila Real de Santo António, em Novembro de 1879 e morreu em 1935. Muito nova, deixou o Algarve e foi viver para Lisboa onde conheceu e mais tarde veio a casar, o advogado João de Caires. Logo no princípio do seu casamento sofreu a morte de uma filha, experiência amarga que marca profundamente e que fez transparecer tudo isso na sua poesia.
Dedica-se então a causas sociais, sendo a mais relevante de todas as visitas e dádivas que fazia às crianças doentes do Hospital Dona Estefânia, motivo porque se diz ter sido a percursora do “Natal dos Hospitais”, evento que promoveu durante dez anos como “Natal das Crianças dos Hospitais” e que hoje se chama apenas “Natal dos Hospitais”.
Ativista para lá de poetisa, escreve artigos onde denuncia as fracas condições de higiene das cadeias portuguesas, conseguindo que se abolissem algumas das leis vigentes como A Máscara (para penas mais duras) ou a obrigatoriedade da pena do silêncio.
Colabora em vários jornais, Século, Diário de Notícias, A Capital, Brasil – Portugal, Ecos da Avenida e Correio da Manhã.
Foi agraciada a 5 de Outubro de 1931 como Oficial da Ordem de Benemerência, pela sua dedicação às crianças, e com a Ordem Militar de Santiago de Espada. A cidade de Vila Real de Santo António prestou-lhe homenagem em 1937 com lugar na toponímia local e mais tarde, em 1966, com um busto junto do rio Guadiana.
in: Poetas esquecidos, 15 de fevereiro de 2016 · Lutegarda de Caires. https://ptpt.facebook.com/703394263113987/posts/904566396330105/
Poeta e Romancista. Filantropa. Ativista.


  • Luar do Algarve in Almanaque do Algarve, 1943

Aproxima-se a noite... Tremulando
Desdobra-se a mortalha transparente
De estrelas nos espaços lucilando...
O rouxinol suspira eternamente,
E canta, canta sempre, soluçando...
Ao Deus da Mis'ricórdia, tristemente
Os ciprestes para o céu vão suplicando
Por almas que se evolam docemente...
Saudades! Espalhai o vosso pranto!
E sobre o coração que sofreu tanto,
cantai antes a Glória, a Paz que o encerra!
Mas tu, luar, na campa abandonada,
vem espalhar a luz abençoada,
celestial luar da Minha Terra!

  • Anoitecendo do livro póstumo “Anoitecendo”

Silencio! Tangem sinos. São Trindades.
O sol vai pouco a pouco enfraquecendo,
sulcado de violetas e saudades...
Avé-Maria! Vem anoitecendo...

Esp'ranças, ambições, alacridades,
os poentes da vida esmaecendo,
nem o sol lhes empresta as claridades
dos lampejes que, ao longe, vão morrendo.

Porque a noite aproxima-se, rezando,
e o luar, melancólico, sonhando
com tristezas da eterna escuridão...

Mas a alma, que vence e se ilumina,
que lhe importa, no Além da luz divina,
que na terra enregele um coração!...

Tornei a ver te! Agora os meus cabelos
embranqueceram já... longe de ti.
Foram-se há muito aspirações e anelos
mas as saudades ainda as não perdi.

Mas volto à minha terra, tão bonita!
Terra onde reina o sol que resplandece,
aonde a vaga é murmurar de prece
e sinto ainda a ternura infinita.

É que não há céu de tal 'splendor
nem rio azul tão belo e prateado
como o Guadiana, o meu rio encantado
de mansas águas, suspirando amor!

Alcoutim Livre domingo, 21 de setembro de 2008


  • Bibliografia

VioletasLutegarda.jpg
Glicínias (1910)
Papoulas (1912)
A Dança do Destino: contos e narrativas (1913)
Bandeira Portuguesa (1910)
Dança do Destino (1911)
Pombas Feridas (1914)
Sombras e Cinzas (1916) Doutor Vampiro (1921, romance)
Violetas (1922)
Cavalinho Branco (1930)
Palácio das Três Estrelas (1930)
Inês (peça de teatro em co-autoria com Manuel Vieira Natividade e Virgínia Vitorino)
Vagamundo (Libretto da ópera musicada por Rui Coelho)


Lutegardaestatua.jpg

Estátua levantada junto ao Guadiana em homenagem a Lutegarda Caires

  • Veja mais sobre Lutegarda Caires nos seguintes links:

- 2004 - Artigo “A Fundadora do Natal dos Hospitais” por Maria Luísa V. de Paiva Boléo, publicado no portal leme.pt, do qual destacamos: “Vila Real de Santo António orgulha-se de na sua cidade ter nascido, em Novembro de 1873, aquela que além de escritora e filantropa, teve, um dia, a ideia de proporcionar às crianças doentes um Natal com agasalhos, prendas e brinquedos, cuja dimensão viria a atingir a imensa popularidade do atual Natal dos Hospitais.”